loader

Banco de dados da perícia já registra material genético de um a cada quatro presos no RS

  • Home    /
  •    Notícias    /
  • Banco de dados da perícia já registra material genético de um a cada quatro presos no RS
Banco de dados da perícia já registra material genético de um a cada quatro presos no RS

Amostras de DNA ajudam a identificar pessoas em cenas de crimes, podendo contribuir para condenação dos responsáveis ou absolvição de inocentes.

Material já coletado deve ser processado até dezembro.

Amostras de material genético ajudam a identificar criminosos no RS Um levantamento do Instituto-Geral de Perícias (IGP) do Rio Grande do Sul revela que um a cada quatro presos do estado já teve o material genético recolhido e o DNA registrado no banco de dados do órgão.

Segundo o IGP, a coleta ganhou fôlego a partir de abril, após uma parceria com o Ministério Público e o Judiciário, a fim de facilitar o acesso dos peritos aos presídios.

O processamento do material coletado nos últimos meses deve ser concluído até dezembro.

A administradora do banco de perfis genéticos do IGP, Cecilia Matte, afirma que o próximo passo é identificar vestígios genéticos ainda sem origem.

"A partir de agora a ideia é que a gente consiga identificar aqueles mil vestígios que estão no banco sem origem.

A gente não sabe quem que produziu aquele vestígio.

A gente quer dar nomes àqueles vestígios", diz.

As amostras de condenados já inseridas no sistema resultaram em mais de 40 combinações, que comprovaram a autoria de crimes, aponta a entidade.

Profissional em laboratório do IGP, em Porto Alegre Reprodução/RBS TV A análise também pode reverter, por exemplo, uma condenação, como no caso de Israel de Oliveira Pacheco.

Ele recebeu uma pena de 11 anos e meio de prisão por estupro e roubo após ser reconhecido pela vítima.

No entanto, uma mancha de sangue encontrada no local do crime comprovou que o DNA não era do rapaz, que foi inocentado pelo Supremo Tribunal Federal.

(Veja a reportagem de 2018 mais abaixo) "Foi uma identificação de vestígio com vestígio, mas que conseguiu excluir um indivíduo que estava condenado.

Naquela época, ele ficou bastante tempo condenado, preso, e a gente viu que não era ele que tinha produzido vestígio na cena do crime", pontua Cecilia.

Homem é inocentado após ficar dez anos na prisão Ação no presídios Duas peritas criminais percorreram 10 mil quilômetros em mais de 60 cidades do Rio Grande do Sul.

Elas usaram cartões para extrair o DNA da boca de detentos.

Uma coleta rápida, de cerca de um minuto.

"Eles não precisam sair dali de onde eles estão presos, de dentro das grades, para fazer a coleta", explica a perita Aline Spindler.

O banco de dados já tinha sido alimentado na parte dos vestígios encontrados nas cenas dos crimes.

Contudo, como o DNA é comparativo, foi necessária a coleta de amostras com os apenados.

O procedimento é obrigatório para condenados por crime doloso, praticado com violência grave contra a pessoa, além de crimes contra a vida, a liberdade sexual e crime sexual contra vulnerável.

Peritas coletam amostras de DNA de apenados no Rio Grande do Sul IGP/Divulgação Em muitos casos, os próprios presos desejam fazer a coleta, alegando inocência, afirmam os profissionais do IGP.

Em torno de 1% recusou a ceder a amostra, o que gera falta grave e pode levar a perda de benefícios, como a progressão da pena.

Conforme o chefe da Divisão Genética Forense do IGP, Gustavo Kortmann, os servidores do órgão foram treinados no interior do estado para que as coletas continuem sendo realizadas nos presídios.

"A gente tem uma expectativa muito grande em cima desta quantidade que nos falta processar ainda, que agora já são mais de 10,8 mil indivíduos, em nos resultar em uma série de coincidências que possam auxiliar as investigações e auxiliar a se fazer justiça", avalia Kortmann.

Amostras de DNA analisadas pela perícia do Rio Grande do Sul Reprodução/RBS TV VÍDEOS: Tudo sobre o RS


Publicada por: Rádio Cidade 100.7 FM

BAIXE NOSSO APP

Utilize nosso aplicativo para escutar CIDADE FM LITORAL direto de seu dispositivo movel.

img

Copyright © 2020 CIDADE FM LITORAL. Todos os direitos Reservados.

Adonis Music R&B